Bolívia terá seu primeiro governo autônomo indígena

07.01.2017 - Charagua, Bolivia - Redação São Paulo

This post is also available in: Espanhol

Bolívia terá seu primeiro governo autônomo indígena
(Crédito da Imagem: Ray Edson Hurtado Romero)

Por Brasil de Fato

Município de Charagua terá critérios próprios de organização interna a partir de segunda-feira (9)

A Bolívia, país com a maior parcela de população indígena entre as nações latino americanas de acordo com Relatório da ONU de 2014, terá o seu primeiro governo autônomo indígena a partir da próxima segunda-feira (9). Trata-se do povo indígena do município de Charagua, localizado no leste do país e que faz fronteira com o Paraguai.

Essa é uma forma de poder inédita no país e foi aprovada no município em setembro de 2015. A mudança não altera normas nacionais e regionais e será mantida a coordenação com entidades estatais. A polícia, as Forças Armadas, instituições estatais e normas instauradas pelos três poderes da Bolívia não serão afetadas.

O caráter de governo autônomo constitui um estatuto em Charagua que estabelece a constituição de três poderes do governo. São eles o Poder Coletivo, para definir em conjunto planos de desenvolvimento local; Poder Legislativo, para a elaboração de normas internas; e Poder Executivo, responsável pela administração. À frente dos Poderes ficarão 47 autoridades, eleitas em diferentes períodos.

A nova legislação dos indígenas, que funciona como uma espécie de Constituição, também define a forma de eleição das autoridades; o modelo de funcionamento, funções e objetivos de instâncias do governo; a deliberação, bem como a participação cidadã.

Charagua, até agora, compõe um dos 339 municípios do país e pertence ao estado de Santa Cruz. A partir de segunda, no entanto, perderá esse caráter.

Indígenas na Bolívia

Em 2013, a população boliviana era composta por 10,67 milhões de habitantes, dos quais 62,2% são indígenas. Em Charagua, com população de cerca de 32 mil pessoas, a população indígena também compõe mais da metade dos habitantes (67%).

“A autonomia indígena vai ter seus próprios critérios de organização interna, de gestão de recursos econômicos, de promover o seu desenvolvimento. Não pode ser uma ilha em relação às instâncias nacionais”, explicou o vice-ministro boliviano de Assuntos Indígenas, Gonzalo Vargas.

Edição BdF: José Eduardo Bernardes

Categorias: Ámérica do Sul, Assuntos indígenas, Política
Tags: , , , , , , ,

Arquivo

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.